22 jun

Valinhos confirma 16 casos de leishmaniose canina e tem 114 em investigação; veja cuidados

Segundo Prefeitura, desde maio houve mortes de cinco cães, um delas por eutanásia. Governo faz alerta sobre necessidade de medidas preventivas contra mosquito transmissor de protozoário

Valinhos (SP) confirmou na tarde desta quarta-feira (21) os registros de 16 casos de leishmaniose visceral canina que resultaram em cinco mortes. O primeiro, segundo a assessoria da Prefeitura, ocorreu em maio e há 114 animais em apuração. Não há prazo para divulgação dos resultados.

Entre todas as mortes contabilizadas, uma foi após eutanásia em virtude de "estado avançado de sofrimento", informou o governo municipal. Seis animais dependem de avaliações para saber se há condições para tratamento, enquanto outros cinco estão bem e receberam cuidados necessários.

A doença

A enfermidade é causada por um protozoário transmitido por meio de picada da fêmea do mosquito-palha infectado - Lutzomyia longipalpis. A espécie também ataca humanos e a doença pode levar à morte em 90% dos casos, quando não é tratada, informou a administração.

Por enquanto, destacou o governo, não há casos suspeitos de moradores com a doença.

Contaminações

De acordo com o governo, as contaminações dos animais ocorreram em três regiões do município.

"Segundo os médicos veterinários, o primeiro caso de Leishmaniose Visceral canina foi registrado em maio, no Jardim Paraná, a partir de notificação de uma clínica veterinária particular. Logo após, outros casos foram confirmados nos bairros Nova Suíça e Clube de Campo", diz nota.

Sintomas e tratamento

Entre os principais sintomas provocados pela doença em humanos, informou a assessoria da Prefeitura, estão febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso e fraqueza.

Já em cães, ela também causa a perda de peso, queda de pelos, lesão nos olhos, crescimento e deformação das unhas, além de paralisia das pernas e desnutrição.

"Um ou mais desses sintomas podem começar a se manifestar em até dois anos, porém, mesmo sem a manifestação da doença o cão infectado pode transmitir o protozoário ao mosquito, porque fica alojado mais em nível cutâneo. Já em humano a transmissão não é registrada, pois a doença acomete mais as vísceras", informa texto da assessoria.

Prevenção

A recomendação da Prefeitura é para que os moradores mantenham as áreas ao redor da casa e pé das árvores limpos e com espaço para passagem de luz solar no solo. "O mosquito se reproduz em matéria orgânica em decomposição, como montes de folhas, restos de grama e de poda de árvores deixados em lugares úmidos e sombreados", informa texto da administração municipal.

Ainda de acordo com o governo, é recomendada colocação de telas nas portas, janelas e abrigo dos cães para impedir entrada do mosquito, que tem hábito noturno. Além disso, os moradores devem usar repelentes, camisa de manga comprida e calça durante trabalhos ao redor dos imóveis, e colocar nos cães coleira que funcione como repelente para o mosquito-palha.

Explicações

A administração informou que a Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) registra, desde 2013, a presença do mosquito vetor no município. A suspeita é de que a chegada de um cão contaminado em área endêmica tenha possibilitado a proliferação da enfermidade.

"Pelo protocolo de controle da doença, para cada caso positivo devem-se investigar outros 100 cães que vivem nas proximidades", diz nota da assessoria. A Prefeitura destacou que o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) faz gratuitamente a coleta de exame para investigação da leishmaniose visceral. O material é levado para o Instituto Adolfo Lutz e os resultados costumam levar 15 dias.

Os interessados devem fazer o agendamento pelos telefones (19) 3829-1252 ou 3829-2197.

 

Fonte: http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/valinhos-confirma-16-casos-de-leishmaniose-canina-e-tem-114-em-investigacao-veja-cuidados.ghtml

  • Ourofino promove campanha para mostrar o carinho entre pets e tutores

    18 mai

  • Pets são boas companhias para séries, segundo pesquisa da Netflix

    20 abr

  • Infecções de pele em cães e gatos é tema de live da Ourofino

    09 abr

  • Proprietários de pets insistem em atendimento gratuito e a distância

    05 abr

  • Folha: Dono de cão vive dilema entre tratar e sacrificar seu pet com leishmaniose

    05 abr

  • Ourofino Saúde Animal premia estudantes, professores e universidades de veterinária na 9ª edição do PIAC

    21 fev

  • Estimule a inteligência do seu cão brincando

    07 fev

  • Ourofino Saúde Animal firma parceria com a Premium Vet

    16 jan

  • Carregar mais notícias