10 de Janeiro de 2012

Parasitas internos que acometem os cães e o que eles causam

Confira mais posts

Os populares “vermes” dos cães, também chamados de helmintos ou simplesmente parasitas internos, têm grande importância para a saúde pública devido ao alto potencial de causar doenças em humanos, as chamadas zoonoses. Os vermes que comumente infectam os cães são o Toxocara canis, o Ancylostoma caninum e o Dipylidium caninum. De acordo com sua morfologia (forma) os helmintos acima citados foram divididos em diferentes filos (divisão evolutiva de animais e vegetais). O Ancylostoma caninum e o Toxocaracanis pertencem ao filo Nemathelminthes e à classe Nematoda e por isto são denominados de nematódeos ou nematóides. Os parasitas pertencentes a este filo apresentam corpo cilíndrico, alongado e não-segmentado, popularmente são conhecidos como “vermes redondos”. Esta é a classe de maior destaque entre os helmintos devido a sua patogenicidade e ampla distribuição geográfica.

Já o Dipylidium caninum pertence ao filo Platyhelminthes e a classe Cestoda, sendo denominados de cestódeos ou vulgarmente conhecidos como “vermes chatos”, os parasitas desta classe apresentam corpo achatado e segmentado com aspecto semelhante a uma fita. Basicamente, os helmintos provocam perda de peso, crescimento tardio e tornam os indivíduos infectados predispostos a outras doenças, devido à menor absorção e digestão de nutrientes, interferências do fluxo de alimentos, lesões teciduais, perda de sangue e de proteínas e bloqueio da passagem do ar, alterando, desta forma, as funções orgânicas do hospedeiro. Há um equilíbrio dinâmico entre o sistema imunológico dos vertebrados e as estratégias desenvolvidas pelos parasitos para “burlarem” as defesas do hospedeiro contra eles. Em cães, a prevalência de verminoses gastrintestinais é elevada, sendo que os mais jovens são mais suscetíveis e apresentam manifestações clínicas mais graves. Cães com parasitoses gastrintestinais sofrem ação irritante e espoliativa dos helmintos causando anorexia, diarreia, vômito e retardo no crescimento, além de levarem o organismo a um quadro de imunossupressão que contribui para o aparecimento de processos de natureza infecciosa de origem bacteriana e viral.

O Toxocara canis, além de sua importância veterinária, é responsável por uma zoonose conhecida como Larva migrans visceral. Animais parasitados eliminam os ovos do verme no ambiente através das fezes, esses ovos em condições favoráveis evoluem, surgindo a larva infectante. Os cães se infestam pela ingestão do ovo com a larva (ovo larvado). Em cadelas prenhes infectadas pode acontecer infecção pré-natal, as larvas adquirem mobilidade três semanas antes do parto, vão para o pulmão dos fetos onde evoluem para outro estágio antes do nascimento. Nos recém-nascidos o parasita completa seu ciclo e vão para o intestino através da traqueia. Cães em fase de lactação podem infectar-se ao ingerirem larvas durante as três primeiras semanas de vida, neste caso as larvas vão direto para o intestino.  Outra forma dos cães se infectarem com este parasita é através da ingestão de hospedeiros paratênicos (hospedeiros de transporte) que podem ser roedores ou aves que ingerem os ovos infectantes; nestes as larvas vão para os tecidos onde ficam até estes hospedeiros serem ingeridos pelos cães (hospedeiros definitivos).

Os animais parasitados com T. canis apresentam como sinais clínicos diarreia, desconforto abdominal, vocalização (“lamúrias”), abdômen distendido (aspecto “barrigudo”), pelagem sem força, desidratação e retardo no crescimento, o óbito pode acontecer em decorrência de obstrução intestinal, intussuscepção (invaginação de uma porção do aparelho gastrointestinal sobre a luz da porção adjacente) ou perfuração intestinal. Em cães com idade inferior a seis meses tosse e taquipneia (aceleração do ritmo respiratório) também são observadas. A infecção por Ancylostoma caninum, outro gênero de nematódeo, comumente é encontrada em cães. Quando o diagnóstico e tratamento são feitos tardiamente as taxas de mortalidade tendem a ser elevadas. A extensão da agressão desses helmintos ao organismo animal é determinada pela virulência e pelo número de parasitas. Assim como o Toxocara canis, parasitas de diversas espécies do gênero Ancylostoma spp. causam em humanos uma zoonose conhecida como Larva migrans cutânea, popularmente chamada de bicho geográfico. Parasitas deste gênero podem ser transmitidos através das vias feco-oral (contato com fezes de animais parasitados), percutânea (penetração das larvas através da pele), transmamária (através da lactação) e transplacentária (através da gestação).

Cães parasitados por A. caninum apresentam diarreia de cor escura (melena) ou sanguinolenta, palidez, fraqueza, emagrecimento extremo (emaciação) e desidratação. Em animais jovens a infecção resulta em enterite grave e perda sanguínea. Outro importante parasita de cães é o Dipylidium caninum.  Estes, na maioria das vezes, não causam lesões graves nos cães, mas tem importância relacionada à saúde pública por transmitirem aos homens doenças como a cisticercose e a hidatidose. A transmissão deste parasita aos cães é feita através de pulgas e piolhos (hospedeiros intermediários). Os ovos de Dipylidium sp. presentes em ambiente com alta infestação de pulgas são passíveis de serem ingeridos pelas larvas destes vetores. Após a ingestão do ovo, uma larva é liberada no intestino da larva da pulga, a mesma penetra pela parede intestinal atingindo a cavidade oral onde se desenvolve em uma larva denominada cisticercóide. A larva da pulga se desenvolve em pulga adulta, a qual abriga a cisticercóide infectante. O cão (hospedeiro definitivo) infecta-se ao ingerir a pulga adulta contaminada. Em cães infectados o D. caninum pode causar prurido anal. Estes animais parasitados liberam, em suas vezes, estruturas que contem vários ovos do verme, tais estruturas são denominadas “proglótides” e as mesmas liberam os ovos do parasita no ambiente. Em ocasiões raras estas estruturas podem ser visualizadas na região perianal dos cães. As “proglótides” possuem aspecto de grãos de arroz e apresentam motilidade, muitas vezes são confundidas como parasita e causam prurido na região perianal. Devido ao prurido os cães parasitados apresentam comportamento de andar sentado, esfregando a região no chão principalmente após defecação. Quando há um pequeno número de parasitas no animal o estado de saúde do cão não sofre alteração, porém se a infecção for causada por um grande número ocorre inflamação da mucosa intestinal, diarreia, cólica, alteração do apetite e emagrecimento excessivo. Em infecções maciças pode existir intussuscepção e obstrução intestinal.

O diagnóstico das parasitoses acima citadas é realizado, em sua maioria, através de exame de fezes chamado de coproparasitológico, além de verificação do histórico do animal e exame físico para detecção de sinais clínicos característicos.  No caso de parasitoses por D. caninum o diagnóstico pode ser confirmado através da visualização das “proglótides” nas fezes. Tanto o tratamento quanto a profilaxia destas verminoses são realizados com administração de anti-helmínticos de amplo espectro. A prevenção dessas e de outras verminoses são realizadas com a adoção de medidas profiláticas tais como: correta higienização do ambiente e dos utensílios de fornecimento de água e alimento, canis devem ser construídos com padrões adequados para melhor higienização além de remoção e destino adequado as fezes. Como prevenção ao Dipylidium caninum é ideal o combate aos hospedeiros intermediários (pulgas e piolhos), no caso do Ancylostoma caninum é interessante banhar os animais que tiveram contato com outros ambientes como, por exemplo, praças a fim de prevenir infecção pela via cutânea.  Para a prevenção de infecção por T. canis é imprescindível o conhecimento de que os ovos deste helminto são resistentes a ação de produtos químicos, mas perdem sua viabilidade quando submetidos a raios ultravioletas e latas temperaturas dessa forma os canis devem ser projetados de tal maneira que as fezes fiquem expostas ao sol durante a maior parte do dia, outra medida importante no combate a este verme é o combate a aves e roedores que funcionam como hospedeiros de transporte. A fim de se evitar a transmissão transplacentária de parasitas é indispensável a vermifugação da fêmea prenhe e/ou antes da cobertura de acordo com critério do Medico Veterinário responsável. Como prevenção da transmissão através da lactação é aconselhável vermifugação após o parto de acordo com a prescrição veterinária. Em canis ou áreas endêmicas é importante o estabelecimento por parte do Médico Veterinário de um programa de controle de parasitas baseado em exames coproparasitológicos e vermifugações constantes.

 

Por Mariana Castelhano Diniz, Médica Veterinária e Assistente Técnica da Ourofino Saúde Animal.

 

 

Tags

Comentários

Isabelle

Tenho dado remedio ao meu filhote de 40 dias e ele faz a fezes com um verme grande branco parece minhoca queria saber que remedio eficiente vocês tem?

Oi, Isabelle! A Ourofino possui em seu portfólio o Top Dog, um vermífugo palatável à base de Febantel, Praziquantel, Pamoato de Pirantel e Ivermectina. Confira mais informação no site link.ourofino.com/7c61e ou entre em contato com a equipe Técnica da Pet pelo 0800-941-2000.
Lembre-se que é importante o acompanhamento do médico-veterinário.

Edson silva

Olá tudo bem
A minha cachorrinha está com 45 dias a mesma está muito fraca caindo dos lados girando em volta dela, levei no veterinário a 4 dias ele falou que é verme fez toda medicação tô tratando ela na seringa mais até agora não defecou nenhum verme vc pode me ajudar por favor obrigado

Edson, indico que você leve novamente sua amiga ao médico-veterinário para que ele possa examiná-la presencialmente e te passar o tratamento correto. Feito isso, coloco à disposição nossa equipe de especialistas para te auxiliar com o uso dos produtos da Ourofino pelo 0800 941 2000.

Lindsay

Boa noite! Gostaria de saber se o T. Canis pode ficar alojado nos pulmões, vindo a causar a morte de um filhote? Perdi um filhote com 3 meses por embolia pulmonar e estou investigando a causa.
Ainda tenho uma filhote que, após exame, foi diagnosticada com grande quantidade de ovos de toxocara canis nas fezes. Sendo que desvermimei com praziquantel, febantel, pirantel e ivermectina há 7 dias, preciso esperar fechar 21 dias pra nova desverminação contra. T. Canis? Qual anti-parasitario me indicam?

Oi, Lindsay!

Um dos estágios larvais do verme Toxocara canis pode passar para os pulmões, principalmente em animais com menos de 3 meses de idade, que estão com altas infestações adquiridas pelo contato materno. Para estes casos, apenas uma dose pode não ser suficiente para eliminá-los, pois isso, é necessário um protocolo de vermifugação até os 6 meses.

Indico que você leve seu amigo ao médico-veterinário para que ele te passe o tratamento correto.
Para mais informações, a equipe técnica da Pet está à disposição para te ajudar pelo 0800-941-2000.

Helaine

Minha cachorra expeliu um verme de aspecto achatado pela boca, como devo tratar?

Helaine, recomendo que você leve sua amiga ao médico-veterinário para que ele possa examina-la presencialmente e te passar o tratamento correto. Feito isso, coloco à disposição nossa equipe de especialistas para te auxiliar com o uso dos produtos da Ourofino pelo 0800 941 2000.

Juliana

Obrigada pelas informações.

Olá, Juliana!
Que bom que gostou do texto. Ficamos felizes em ajudar a cuidar dos pets.
Obrigado por acompanhar o nosso blog.
Abraços.

Luana

Rebeca Dantas que
pena


Rebeca Dantas

Oi, minha cachorrinha começou a sentir os sintomas do T. Canis derrepente , as 3:00 da manhã ela deu um grito , e começou o correr pela casa chorando e subindo nas paredes, pegamos ela e 20 minutos depois ela morreu, depois encontramos 2 bolinhos de vermes, mas ela não deu sintoma nenhum antes, o primeiro foi as 3:00, saimos correndo de madrugada atras de veterinários mas não a achamos, ela começou a convucionar e parou, fizemas massagem cardiaca, e respiração ela voltou, mas não latia mais, 2 min depois ela morreu, umas 5 h da tarde ela pegou um rato morto a pauladas e queimado, tomei dela, mas pq ela não deu sintomas antes ? Ela ia fazer 2 meses agora dia primeiro.

Olá Rebeca, obrigado pelo contato.
Sentimos muito pela perda da sua cachorrinha, mas infelizmente é impossível diagnosticar as causas da morte.
Algumas enfermidades podem ser assintomáticas e por isso é importante sempre contar com as orientações de um veterinário que possa acompanhar o animal.

Deixe o seu comentário

Recebemos o seu comentário e entraremos em contato em até 3 dias. Conte também com o nosso SAC pelo 0800 941 2000.

Erro ao enviar, confira se todos os formulários estão corretos.

  • Atenção: é importante controlar as pulgas nos gatos

    21 ago
    2018

  • Distúrbios comportamentais em pets

    20 jul
    2018

  • Doenças de inverno: cuidado com os pets

    25 jun
    2018

  • Cuidados com animais idosos

    18 mai
    2018

  • Infecções de ouvido nos cães

    24 abr
    2018

  • Cuidados com os filhotes: ectoparasitas

    26 mar
    2018

  • Carregar mais posts