Pet na praia: 10 principais cuidados

Por Silvia Passini, Médica Veterinária e Consultora de Demanda Ourofino Pet

05 de Dezembro de 2023

Pet na praia: 10 principais cuidados

Com a chegada do verão a procura das pessoas por praias aumenta. Quem não quer se divertir e se refrescar no mar com a família e amigos? Afinal, nada melhor do que passear com a companhia de quem a gente gosta, não é mesmo? Isso inclui nossos amados pets!

Mas para que o passeio com eles seja somente alegrias, diversão e todos estejam em segurança, listaremos alguns cuidados que devem ser tomados.

 

1- Cachorros podem frequentar a praia?

A resposta é: depende. Alguns municípios autorizam a entrada de animais nas praias, e outros não.

Por isso, para evitar surpresas desagradáveis, deslocamentos desnecessários e até multas, o ideal é se informar com antecedência se a praia a ser visitada é pet friendly e quais são as regras estipuladas para a presença de pets.

Em algumas praias os pets são permitidos somente se permanecerem no colo e não pisarem na areia. O que pode não atender às suas expectativas. Por isso, a dica é: antes de viajar é essencial se informe a este respeito.

 

2- O seu pet gosta de socializar?

Certifique-se de que o pet esteja apto a socializar. Afinal de contas, provavelmente ele estará em um local onde encontrará outros pets, crianças, e movimento de outras pessoas. Os estímulos serão muitos. Se ele gostar de socializar e de movimento, as chances de ser um momento de descontração para ele, e não de estresse, serão muito maiores.

Além disso, vale lembrar que além de você e seu peludinho, haverão outras pessoas no local. E que, apesar de ser difícil de acreditarmos (rs), pode ser que tenham medo ou não gostem de pets. Seu papel é garantir que todos estejam confortáveis e seguros com a presença dele.

 

3- Coleira, guia e placa de identificação do pet

A melhor maneira de garantir a segurança do seu pet é a presença deste trio: coleira, guia e placa de identificação. Dessa forma você evitará que ele se perca ou fuja. Não se esqueça de colocar na plaquinha, o seu nome, telefone de contato e o nome dele.

É recomendado manter a guia presa ao animal. Dessa forma, se ele tiver algum comportamento e/ou reação inesperada que o coloque em risco ou a outros, você conseguirá orientá-lo.

Lembre-se: se for necessário prendê-lo, escolha um local fresco, protegido do sol, e deixe água fresca à disposição dele, constantemente.

Como sugestão, amarre a guia no guarda-sol ou em outro lugar que seja fixo. Assim, se você levantar, ele não corre o risco de sair correndo e levar o objeto junto.

 

4- É mesmo necessário passar protetor solar nos pets?

Sim, protetor solar é fundamental, devemos utilizar protetores solar específicos para pets. Escolha a melhor opção juntamente com o médico veterinário do seu bichinho e aplique nas regiões onde possui menos pêlos, como o focinho, orelhas, barriguinha e patas. Faça aplicações a cada 2 horas ou, se ele brincar no mar, reaplique em seguida.

E claro, mesmo estando protegido com protetor solar, é importante garantir que ele tenha uma sombrinha à disposição caso queira sair do sol.

 

5- Excesso de calor pode ser um risco. Fique de olho!

Um dos principais cuidados com cachorro na praia é a escolha do horário. O ideal é escolher o começo da manhã ou o final da tarde, para evitar o sol muito quente.

Expor o seu cachorrinho a temperaturas fortes aumenta consideravelmente o risco de problemas de pele, como o câncer. Além do risco dele sofrer insolação e queimaduras.

Em casos extremos ou de raças mais sensíveis, os cães (mais afetados do que os gatos) podem apresentar hipertermia. Ou seja, aumento da temperatura corporal, pela incapacidade de se autorregular, causada pela exposição a altas temperaturas no ambiente.

Fique de olho, pois um cachorro com a língua para fora, respiração ofegante e salivação excessiva pode ser um sinal de atenção. A condição de hipertermia é considerada emergência e precisa de intervenção o quanto antes.

Outro cuidado é com os coxins, as famosas “almofadinhas”, dos pets são muito sensíveis e, por esta razão, precisam de cuidados para evitar queimaduras e ferimentos. Se seguir a dica de levá-los à praia em horários com temperatura mais amena, e fazer o teste para ver se você consegue andar descalço na areia sem queimar os pés, conseguirá ter um bom parâmetro para evitar queimaduras nos coxins.

 

6- Prepare uma mochila para as necessidades básicas 

Prepare uma malinha com itens que seu filho de quatro patas poderá precisar no passeio: Comida, água fresca, petisco, cata caca, sacola para recolher lixo, comedouro e bebedouro são itens que não podem faltar. Quem sabe aquele brinquedo que ele adora não vai ajudar a garantir a diversão? Sugiro também uma toalhinha para ele deitar e se refrescar na sombra. Isso se ele não preferir a sua canga, não é?

 

7- A vacinação e a vermifugação estão em dia?

Ter a carteirinha de vacinação e de vermifugação em dia são fatores fundamentais para a proteção e segurança da saúde do seu pet e de todos aqueles que estejam compartilhando a praia. É uma questão de saúde pública.

Existem verminoses e parasitas intestinais, como a giárdia, que são transmitidos entre os animais, e dos animais para seres humanos (zoonose). Outras doenças podem ser transmitidas aos cães através da picada de mosquitos específicos. Uma delas é a Dirofilariose, ou verme do coração, como é conhecida popularmente. Outra é a leishmaniose, que pode contaminar além dos cães, os seres humanos e, apesar de existir tratamento para esta doença, não existe cura parasitológica.

Outro ponto de atenção é evitar a infestação por pulgas e carrapatos.

Para garantir a proteção do seu pet informe-se com o médico veterinário de sua confiança sobre a melhor opção de vermífugo, antipulgas e anticarrapatos, e qual coleira repelente de mosquitos seu pet deve usar.

Além disso, é preciso que o cão esteja vacinado contra raiva, cinomose, parvovirose, leptospirose, hepatite infecciosa canina, que são vacinas essenciais, entre outras.

De toda forma, a palavra de ordem é: prevenção! Trate e proteja o seu pet e assim estará protegendo a todos e garantindo que as experiências compartilhadas na praia com seu amigão sejam positivas mesmo depois que o passeio acabar.

 

8- Não deixe o pet sem supervisão

Nada de deixar o cachorro solto sem supervisão na praia.

Mantênha-o sempre em seu campo de visão e com guia resistente e funcional para que permaneça em segurança. Evitando, inclusive, a chance de fuga ou que incomode outras pessoas.

Além disso os animais são curiosos por natureza e podem comer lixo, ingerir areia, água do mar, e até mesmo peixes e águas-vivas que podem causar ferimentos e intoxicação nos pets.

 

9- Recolha a sujeira

A gente sabe que fazer cocô na areia é coisa de gato. Mas certamente o seu cachorro vai se aliviar na praia durante o passeio. Por isso, quando seu cachorro se aliviar, recolha a sujeira dele, e não se esqueça: recolha tanto as fezes, quanto a urina e remova parte da areia.

Afinal, quem não gosta de frequentar uma praia com a areia limpinha, não é mesmo?

 

10- Acabou o passeio? Hora do banho!

É importante ressaltar que a exposição à areia e à umidade da praia pode causar dermatites em pets mais propensos a alergias e problemas de ouvido, como otite, se não forem devidamente limpos e secos. 

Por isso, depois de passear na areia da praia e brincar na água salgada do mar, é importante um bom banho com shampoos e produtos específicos adequados à pele do seu pet para retirar todos esses resíduos da pele e pelos, além de cuidados com os ouvidos.

Agora você já sabe dos principais cuidados que deve observar para levar seu pet à praia, e com certeza você terá uma experiência muito mais divertida e agradável, com toda segurança necessária ao bem-estar dele.

Comentários


Publicações que talvez você goste

Acompanhe nosso universo Pet