Suplementação: aliada da saúde dos pets

30 de Janeiro de 2019

Suplementação: aliada da saúde dos pets

Confira mais posts

Por Fernanda Costa Sousa Zinsly de Mattos, analista técnica na Ourofino Pet

Para manter a saúde em dia, ao longo da vida, os pets precisam de vitaminas complementares, no entanto, os animais de companhia apresentam diferentes exigências nutricionais que variam de acordo com a espécie, raça, idade, estado fisiológico, condições do ambiente em que vivem, atividade física que praticam etc. Além disso, existem diversas situações em que os pets deixam de se alimentar corretamente, por motivos como estresse, anorexia, pós-cirúrgico, doenças crônicas da senilidade que provocam dor, entre outros fatores. Esses casos podem levar os pets a uma subnutrição ou desnutrição. Sendo assim, a introdução dos suplementos no protocolo de tratamento para recuperação deles se torna indispensável.

Os aminoácidos auxiliam na síntese de proteínas que são importantes para o funcionamento do sistema imune e reparação tecidual. Já as vitaminas do complexo B e C são essenciais, pois estão envolvidas no metabolismo energético. Além disso, a glicose e carboidrato representam a principal fonte de energia do organismo e também são importantes para o aumento da imunidade. Alguns minerais como o cromo também atuam no restabelecimento orgânico de pets subnutridos e desnutridos e melhoram a absorção da glicose e o fornecimento de energia extra para estes animais debilitados.

Os animais de companhia que praticam esportes, gestantes, lactantes e idosos precisam de um suporte extra de energia, por isso os suplementos ricos em vitaminas, aminoácidos e minerais, ajudam a melhorar o apetite e auxiliam na manutenção muscular deles.

Durante a gestação, há o aumento da demanda metabólica devido às mudanças fisiológicas na fêmea e às exigências para o crescimento fetal. Para a cadela gestante, as deficiências ou o fornecimento inadequado de vitaminas ou minerais pode resultar em anemia, complicações no parto ou até mesmo em morte. O ácido fólico é uma vitamina indispensável para fêmeas gestantes e lactantes, pois ajuda a diminuir o risco de lesões no tubo neural do feto, na formação da placenta e no desenvolvimento do DNA.

A Ourofino possui uma linha completa de suplementos indicados para as principais situações que requerem a suplementação dos pets. Confira:

O Energy Pet é um suplemento à base de aminoácidos, vitaminas do complexo B e C, glicose e mineral cromo quelatado indicado para fornecer energia extra para animais convalescentes e inapetentes.

Já o Metacell Pet é um suplemento composto pelos minerais quelatados ferro, cobre, cobalto e zinco, vitaminas do complexo B com destaque para o ácido fólico (B9) e frutose.

O Biocanis é composto por três tipos de bactérias probióticas: Lactobacillus acidophilus, Bifidobacterium bifidum e Enterococcus faecium, essenciais para a manutenção de uma microbiota intestinal equilibrada e para auxiliar na recuperação de animais com diarreias.

Por último, o Condromax Pet, um condroprotetor composto por sulfato de condroitina, glicosamina e minerais cobre, zinco e manganês quelatados. Seus componentes auxiliam na regeneração de cartilagens articulares, controle da inflamação e dor em casos de animais de companhia idosos com osteoartrites.

Lembre-se de consultar sempre um médico-veterinário para que ele indique o tratamento adequado para o seu amigo. 

Tags

Comentários

Andrea Ferreira

Meu cachorro fez 3 anos mês passado. Ele não para de fazer xixi no lugar errado,eu brigo com ele falo pra ele "aqui não"
Ele esta fazendo xixi na minha maquina de lavar na parte de baixo e esta inferrujando ela toda em baixo... Não sei mas o que eu faço,me ajude!

Oi, Andrea!
O seu cão é castrado? Você tem o hábito de sair com ele para passear? Já tentou colocar um tapete higiênico (próprio para cães) “grudado” na máquina de lavar? Assim ele aprende que deve fazer o xixi no tapete higiênico e aos poucos você coloca o tapete higiênico aonde deseja que ele faça suas necessidades.

Se seu cãozinho é adulto, ele já está com vontade de namorar! Devido ao instinto reprodutor, cães não castrados tem maior necessidade de deixar seu cheiro para as fêmeas, marcando território em todos os pontos possíveis.

O aumento da marcação de território também pode ter como causa a falta de atenção. Qualquer mudança na rotina que te distancie um pouco do seu cãozinho, como trabalho, viagens ou gravidez é suficiente para que ele perceba e envie uma mensagem: “Ei, estou aqui!”. É o que o xixi fora do lugar pode estar querendo dizer. Ignore quando ele fizer no lugar errado! Isso mesmo, a melhor maneira de mostrar para ele que você não quer ele faça xixi ou coco no lugar errado é ignorando quando ele o fizer.
A melhor forma de ensinar o cachorro a ter um comportamento que desejamos é recompensando-o quando ele age da forma esperada. Ou seja, sempre que seu cãozinho fizer xixi ou cocô no lugar certo, você deverá recompensá-lo com algum petisco e muito carinho. Assim, ele irá associar esse comportamento a algo agradável e irá repetir a ação esperando a recompensa.

Existem produtos que são os chamados "adestradores sanitários", na forma de gotas ou sprays, que servem para ser colocados no local e auxiliar o cachorro a identificar através do faro que aquele é o local certo para que ele faça as suas necessidades. A própria urina do cãozinho pode ter o mesmo efeito. Você pode também comprar uns cones para que o animal facha xixi nele, existem uns cones próprios para cães, são vendidos em pet shops.

Em último caso, você deve procurar um adestrador para te auxiliar.

Obrigada!

Marilene Schneider

Olá,tenho 6 cachorros e pelo menos 3 deles comem fezes,gostaria de saber o q faço,qual suplemento devo usar.Grata.

Oi, Marilene! A ingestão de fezes é motivo de estudo de várias teorias, principalmente em animais de companhia filhotes. Para a coprofagia, nome dado ao ato de o cão comer as fezes, existem diversos fatores que podem causá-lo, por exemplo, enzimáticos, enzimas pancreáticas, pancreatite crônica e etc. No entanto, na maioria das vezes são comportamentais para chamar a atenção do tutor ou de ansiedade. A superalimentação também pode causar a coprofagia, pois quando o animal de companhia recebe mais alimento que o necessário, causa a má digestão e, assim, logo quando ele estiver com fome novamente, fará o cachorro ingerir as fezes. Um erro que deve ser evitado é a punição excessiva quando o pet defeca em locais não apropriados. Por isso, muitas vezes os seus amigos comem as fezes para chamar sua atenção. Uma dica para treinar seus pets, é ensinar o "não", ou seja, o estímulo negativo toda vez que eles fizerem isso. Uma vez estabelecido que comer fezes é errado, não se deve retirar as fezes na presença deles. Separei as principais causas que influenciam a coprofagia. Primeiro, identificar a origem do problema é uma das primeiras providências a se tomar para conseguir eliminar esse hábito da vida dos seus amigos, por isso a visita ao médico-veterinário é fundamental. Embora, normalmente, os cães comam suas próprias fezes, existem casos em que o cocô ingerido é de outro pet. Mesmo sendo difícil a identificação da origem do problema, testes e exames mais profundos podem apontar o motivo do desencadeamento dos casos.
Veja as principais situações que podem influenciar o aparecimento da coprofagia em cães: fome, tendo em vista que as fezes não são repugnantes para os cães, eles podem acabar comendo-as pelo simples fato de estarem com fome e não terem alimentos apropriados disponíveis no momento; deficiência nutricional, a carência nutritiva no pet pode fazer com que ele busque nutrientes nas fezes de outras espécies; deficiência de enzimas digestivas e pancreáticas, ou seja, o fornecimento adequado das enzimas que faltam ao animal de companhia já podem resolver o problema; má digestão, isto é, a ingestão exagerada de alimentos pode fazer com que eles não sejam digeridos de maneira correta. Com isso, o cocô cheio de alimentos pode se tornar atraente para um cachorro com fome; a presença de vermes pode levar o cão a uma deficiência nutricional, desencadeando a coprofagia; cadelas que acabaram de dar cria tendem a se alimentar das fezes de seus filhotes para manter o ninho limpo; tédio, ansiedade e estresse podem contribuir para o aparecimento de uma série de comportamentos estranhos nos cães; ele pode comer as próprias fezes para chamar a atenção do tutor, já que quando isso ocorre, ele se torna o centro das atenções; quando o cachorro defeca em local inapropriado e é punido por isso, pode acabar comendo seu próprio cocô para evitar novas broncas.
Os riscos da coprofagia em pets que se alimentam das próprias fezes não são tão grandes quanto daqueles que ingerem os excrementos de outros animais de companhia, já que ao comer o cocô de outros cachorros ou gatos, corre o risco de ser contaminado por bactérias, parasitas, vermes, zoonoses e uma série de outros problemas. No entanto, mesmo que as consequências deste hábito possam ser simples e fáceis de tratar, como uma diarreia, também há casos em que o ato pode provocar o surgimento de doenças perigosas e até fatais.
Assim, consultar um médico-veterinário é a primeira medida que deve ser tomada ao notar esse comportamento em seu pet para que um diagnóstico possa ser feito e o tratamento mais adequado seja indicado. Caso a origem do problema seja alguma doença ou deficiência nutricional, a adoção de uma dieta mais completa já pode ser o suficiente para acabar com o hábito, no entanto, motivações comportamentais exigem mais cuidados. Confira: evite deixar que sujeira e as necessidades do cão se acumulem nos ambientes em que ele vive; não brigue com o animal de companhia quando ele urinar ou defecar em locais inapropriados, busque técnicas de adestramento para impedir que isso aconteça; mantenha o pet na coleira enquanto ele faz suas necessidades e o distraia quando terminar para que não busque as próprias fezes; alimente seus amigos com uma dieta balanceada e três refeições diárias, impedindo a carência de nutrientes e a má digestão; leve seus pets ao veterinário com frequência para a realização de check-ups de rotina; crie uma rotina de distrações para os animais sempre que eles fizerem suas necessidades, ofereça petiscos, brinquedos e carinhos.

Deixe o seu comentário

Recebemos o seu comentário e entraremos em contato em até 3 dias. Conte também com o nosso SAC pelo 0800 941 2000.

Erro ao enviar, confira se todos os formulários estão corretos.

  • Doenças transmitidas pelos carrapatos

    Doenças transmitidas pelos carrapatos

    18 jul
    2019

  • Doenças frequentes em animais geriátricos

    Doenças frequentes em animais geriátricos

    24 jun
    2019

  • Osteoartrites em gatos

    Osteoartrites em gatos

    14 mai
    2019

  • Cicatrização de feridas em cães e gatos

    Cicatrização de feridas em cães e gatos

    14 mai
    2019

  • Otites crônicas recidivantes

    Otites crônicas recidivantes

    19 abr
    2019

  • Coceira? Saiba tudo sobre dermatite alérgica à picada de pulgas e carrapatos

    Coceira? Saiba tudo sobre dermatite alérgica à picada de pulgas e carrapatos

    25 mar
    2019

  • Carregar mais posts