Dicas de como medicar seu gato

26 de Agosto de 2021

Dicas de como medicar seu gato

Confira mais posts

Por Melissa Camargo Juchem, consultora técnica Ourofino Pet

A maioria dos pets não gosta muito de tomar medicação, não é mesmo? 

No caso dos gatos, administrar comprimidos se torna um desafio maior ainda, quase uma aventura em muitas das vezes. Alguns podem se tornar agressivos. E, como costumo dizer, eles tem “cinco bocas” (uma boca e quatro patas com garras afiadas), o que exige maior atenção nessas horas. 

Com algumas dicas podemos facilitar essa tarefa... 

Antes de qualquer coisa é importante perguntar ao veterinário para saber se o remédio pode ou não ser combinado à água ou alimento. Alguns fármacos podem ser fracionados, mastigados ou retirados do interior da cápsula. Já outros só fazem efeito se engolidos inteiros ou em jejum. A partir daí temos algumas técnicas: 

1) Aplicador de comprimidos  

O aplicador de comprimidos para gatos é uma espécie de seringa usada para colocar a medicação sobre a língua do animal. Além de não precisar colocar seus dedos na boca do bichinho, você consegue depositar o remédio no ponto certo, onde é mais fácil engolir do que cuspir. O aplicador é facilmente encontrado em pet shops. 

2) Colocar o comprimido diretamente na boca do gato 

O famoso “goela abaixo”. Se o seu gatinho for calmo e o processo for o menos estressante possível, com ele no colo, segurando o comprimido entre o polegar e indicador, abra a boca dele com o dedo médio (apoiando sobre os dentes incisivos) e deposite o medicamento sobre a língua o mais afastado que puder, isso evita que ele sinta o gosto. Aguarde que ele engula. Massagear o pescoço ou soprar de leve o focinho ajuda a deglutição. 

Após liberar o gato, acompanhe-o por um tempo. Há sempre os mais espertinhos que seguram o comprimido na boca e cospem após um longo tempo. 

3) Técnica da “almôndega”  

Essa técnica consiste em envolver o comprimido com algum alimento (caso seja liberado pelo veterinário). Pode- se utilizar ração úmida.  

Também é possível fazer uma bolinha de manteiga, cream cheese ou requeijão cremoso, camuflar o comprimido e colocar no congelador alguns minutinhos antes da medicação. A manteiga é útil porque reveste a pílula e facilita o processo de deglutição (verifique antes com o veterinário se você pode usar esse tipo de alimento). 

Já existem no mercado petiscos auxiliares, que são como uma massinha de modelar, utilizados especificamente para essa função. 

4) Rotina de petiscos  

Enganar o espertinho pode ser uma alternativa. Oferecer petiscos por alguns dias antes, sempre no horário em que deseja dar a medicação, cria uma rotina, quando ele estiver acostumado a receber o agrado camufle o comprimido na guloseima. 

5) Deitar de barriga pra cima 

Sabe o jeitinho que a mamãe carrega os gatinhos bebês? Podemos simular isso segurando a pele da nuca com a mão. Não dói e é, até mesmo, agradável para eles. Após, ainda segurando, deite o bichano no seu colo, com a outra mão abra a boca dele e largue o comprimido. Mantenha a boca fechada por uns segundos e voilà.  

Falamos muito em comprimido por ser a apresentação mais comum, mas existem, ainda, formas líquidas ou em pasta. 
No caso do líquido o mais indicado é utilizar uma seringa, liberando o medicamento mais ao fundo da boca, porém não com muita força e aos poucos, tomando cuidado para que ele não se engasgue. 
Já as pastas, quando palatáveis, ou seja, com sabor agradável, podem ser oferecidas diretamente ao gatinho. Caso ele não aceite de bom grado, podem ser passadas nas patinhas ou ao redor da boca, lambuzando os pelos. Gatos não gostam de ficar sujos e a tendência é limpar essa “sujeira” lambendo o medicamento (mais uma vez enganamos o astuto, rs). 

 

Dicas bônus: 

Tenha calma e aja naturalmente: Quanto mais nervoso você estiver, mais ele ficará também; 
Abra a boca com cuidado: Não queremos acidentes, não é? Caso encontre certa dificuldade, pressionar levemente a mandíbula, envolvendo-a, com a mão em forma de “C”, pode ajudar; 
Aja rapidamente: Quanto mais rápido for o processo, menor o estresse; 
Segure a boca fechada por algum tempo: o bichano tentará cuspir o remédio a todo custo; 
Fique de olho no pet: muitos gatos cospem o remédio quando veem que seu tutor se distraiu; 
Peça ajuda: se seu peludo for uma pequena fera, não deixe de pedir ajuda.  
Corte as unhas dele: essa nem precisa explicar, não é? rs 
Envolver numa toalha: enrolá-lo numa toalha, só com a cabeça de fora pode ajudar bastante; 
Elogie: isso faz ele se sentir menos nervoso; 
Dê um agrado: após o medicamento ofereça um petisco especial 

Mesmo com todas essas dicas é possível que você encontre alguma dificuldade. É importante descobrir qual das técnicas combina melhor com seu peludo e como tornar essa experiência mais positiva. E, se mesmo assim, seu mascote se sentir “ofendido”, não se chateie, é normal.  

Conversar com o seu veterinário de confiança também pode ser uma alternativa, ele pode fornecer outras abordagens para garantir que você possa continuar cuidando da saúde do seu amigo da melhor forma. 

 

Tags

Deixe o seu comentário

  • O pet intoxicou. E agora, como faço?

    O pet intoxicou. E agora, como faço?

    23 jun
    2021

  • Principais causas de anemia em gatos

    Principais causas de anemia em gatos

    12 fev
    2021

  • Importância no controle da dor em cães e gatos

    Importância no controle da dor em cães e gatos

    27 jul
    2020

  • Cicatrização de feridas oncológicas

    Cicatrização de feridas oncológicas

    04 jun
    2020

  • A importância das verminoses caninas na transmissão de zoonoses

    A importância das verminoses caninas na transmissão de zoonoses

    06 mai
    2020

  • Importância do controle ambiental para prevenção de carrapatos e pulgas

    Importância do controle ambiental para prevenção de carrapatos e pulgas

    10 dez
    2019

  • Carregar mais posts
Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.