18 de Outubro de 2016

Limpeza dos ouvidos dos pets

Confira mais posts

Por Mariana Castelhano Diniz , analista técnica na Ourofino Pet

A limpeza dos ouvidos de cães e gatos é uma medida muito importante que, além de contribuir para a saúde e bem-estar, é um cuidado que permite estreitar a nossa relação com os pets. Limpar os ouvidos deles com uma frequência adequada previne inflamações, alergias e infecções que causam coceira, desconforto e dor.

Limpar os ouvidos dos pets é uma medida importante tanto para a higiene dos ouvidos sadios quanto para o manejo adequado de ouvidos que estão sendo tratados com medicamentos, pois somente em um ouvido limpo o produto depositado no conduto auditivo consegue alcançar toda a área a ser tratada e ser bem absorvido pela pele para uma ação mais eficaz. Em ouvidos saudáveis, a pele apresenta uma coloração levemente rosada, a manipulação não causa desconforto ou dor, não há coceira e a quantidade de cerúmen é discreta e o cheiro característico também. Se você notar que o ouvido do seu pet está com alguma alteração indicativa de problema procure logo o atendimento de um médico-veterinário para que ele avalie a situação e indique as melhores soluções.

As estruturas que compõem os ouvidos dos cães e dos gatos são muito delicadas e, por esta razão, a limpeza deve ser feita de maneira muito cuidadosa. Normalmente, deve ser feita no mínimo a cada 15 dias. Nos casos de pets com otites é importante seguir a orientação do médico-veterinário quanto à frequência da higienização.

Alguns animais têm maior tendência para desenvolver otites e produzem uma maior quantidade de cerúmen. São, por exemplo, os cães de raças que possuem as orelhas caídas (pendulares), como Cocker Spaniel, Golden Retriever e Basset Hound. Nestes pets a conformação das orelhas dificulta o arejamento e torna o conduto auditivo quente e úmido, ambiente propício para o desenvolvimento de otites; para estes animais são recomendadas limpezas mais frequentes.

Existem diversas técnicas para você mesmo limpar os ouvidos do seu pet, com muito carinho e dedicação este pode ser um momento muito agradável de interação entre vocês. Se o animal estiver muito agitado, oferecer algum risco de acidente ou estiver demonstrando dor é importante procurar ajuda de um profissional.

Para tornar o procedimento fácil de fazer e agradável para o pet o ideal é que ele se familiarize com a limpeza desde filhote. Quando o pet ainda é filhote procure fazer limpezas mais curtas e vá aumentando sua intensidade à medida que ele for aceitando mais a manipulação dos ouvidos. Para qualquer aprendizado não devemos nos esquecer de recompensar o bom comportamento do pet com carinho, passeio ou petisco. O importante é acostumá-lo gradativamente à limpeza, associando com algo que ele goste muito.

Na hora da limpeza escolha um lugar adequado e tranquilo, evite locais propícios a acidentes, com objetos que podem ser derrubados e não permita a interferência de outros animais. Acalmar o pet ou fazê-lo aceitar a limpeza não depende apenas do temperamento dele, mas também da confiança e da segurança que passamos. Não existem regras para conter o animal, trata-se de um jogo de dedicação. Se precisar, peça ajuda a outra pessoa.

Além do local adequado é importante utilizar ferramentas apropriadas como algodão e soluções de limpeza apropriadas. A Ourofino Saúde Animal conta em sua linha com o Limp & Hidrat, uma solução de limpeza otológica formulada com extratos vegetais que proporcionam uma limpeza suave e eficiente, promove hidratação da pele do ouvido e tem um agradável cheirinho de lavanda.

Para limpar os ouvidos dos cães e gatos deve-se aplicar o produto na quantidade adequada para a limpeza, de acordo com o porte do animal, de forma a atingir toda a pele visível do ouvido externo. Após a aplicação, abaixe a orelha para fechar a saída do canal auditivo, posicione a mão na base da orelha e massageie essa região delicadamente com o indicador e o polegar. Com um pedaço de algodão seco em tamanho compatível com o conduto auditivo e que possa ser manipulado facilmente com a ponta do dedo indicador, faça movimentos de dentro para fora para remover a sujeira. O algodão deve ser utilizado quantas vezes forem necessárias até a total limpeza e secagem do ouvido. O uso de hastes flexíveis ou objetos finos e pontiagudos como pinças não é recomendado uma vez que não facilitam a retirada das sujidades e um leve movimento de cabeça do animal pode provocar ferimentos indesejáveis. A limpeza inadequada ou agressiva, seja por procedimentos ou produtos inapropriados, pode criar ou piorar quadros de inflamações e infecções. Por isso é fundamental a utilização de produtos recomendados por seu médico-veterinário de confiança.

Tags

Comentários

Patricia

Muito bom o blog e dicas com informações importantes! Tenho uma cachorrinha e gosto de ler.

Patrícia, obrigado por acompanhar o nosso blog!

divani Soares Nascimento

Boa noite eu tenho um cachorrinho YorkShaw de 9meses ele está com otite e não Sara já levei no veterinário já trocou de remédio várias vezes já tomou injeção mais não Sara eu estou muito triste porque fico com muita do dele gostaria da opinião de vcs obrigada o que fazer com ele

Olá, Divani.
Nossa recomendação é que você volte com seu cachorrinho ao médico-veterinário e relate a ele como o seu animalzinho está se sentindo e como está reagindo a cada tratamento. O melhor caminho é acompanhá-lo presencialmente para que o profissional possa oferecer alternativas até que a doença esteja completamente curada.
Abraços e melhoras para o seu cãozinho!

Deixe o seu comentário

Recebemos o seu comentário e entraremos em contato em até 3 dias. Conte também com o nosso SAC pelo 0800 941 2000.

Erro ao enviar, confira se todos os formulários estão corretos.

  • Atenção: é importante controlar as pulgas nos gatos

    21 ago
    2018

  • Distúrbios comportamentais em pets

    20 jul
    2018

  • Doenças de inverno: cuidado com os pets

    25 jun
    2018

  • Cuidados com animais idosos

    18 mai
    2018

  • Infecções de ouvido nos cães

    24 abr
    2018

  • Cuidados com os filhotes: ectoparasitas

    26 mar
    2018

  • Carregar mais posts